Google+ Followers

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

A fornalha de fogo ardente

" O rei Nabucodonosor fez uma estátua de ouro, cuja altura era de sessenta côvados, e a sua largura de seis côvados; levantou-a no campo de Dura, na província de babilônia.
Então o rei Nabucodonosor mandou reunir os príncipes, os prefeitos, os governadores, os conselheiros, os tesoureiros, os juízes, os capitães, e todos os oficiais das províncias, para que viessem à consagração da estátua que o rei Nabucodonosor tinha levantado.
Então se reuniram os príncipes, os prefeitos e governadores, os capitães, os juízes, os tesoureiros, os conselheiros, e todos os oficiais das províncias, à consagração da estátua que o rei Nabucodonosor tinha levantado; e estavam em pé diante da imagem que Nabucodonosor tinha levantado.
E o arauto apregoava em alta voz: Ordena-se a vós, ó povos, nações e línguas: Quando ouvirdes o som da buzina, da flauta, da harpa, da sambuca, do saltério, da gaita de foles, e de toda a espécie de música, prostrar-vos-eis, e adorareis a estátua de ouro que o rei Nabucodonosor tem levantado.
E qualquer que não se prostrar e não a adorar, será na mesma hora lançado dentro da fornalha de fogo ardente.
Portanto, no mesmo instante em que todos os povos ouviram o som da buzina, da flauta, da harpa, da sambuca, do saltério e de toda a espécie de música, prostraram-se todos os povos, nações e línguas, e adoraram a estátua de ouro que o rei Nabucodonosor tinha levantado.
Por isso, no mesmo instante chegaram perto alguns caldeus, e acusaram os judeus.
E responderam, dizendo ao rei Nabucodonosor: O rei, vive eternamente!
Tu, ó rei, fizeste um decreto, pelo qual todo homem que ouvisse o som da buzina, da flauta, da harpa, da sambuca, do saltério, e da gaita de foles, e de toda a espécie de música, se prostrasse e adorasse a estátua de ouro; E, qualquer que não se prostrasse e adorasse, seria lançado dentro da fornalha de fogo ardente.
Há uns homens judeus, os quais constituíste sobre os negócios da província de babilônia: Sadraque, Mesaque e Abednego; estes homens, ó rei, não fizeram caso de ti; a teus deuses não servem, nem adoram a estátua de ouro que levantaste.
Então Nabucodonosor, com ira e furor, mandou trazer a Sadraque, Mesaque e Abednego. E trouxeram a estes homens perante o rei.
Falou Nabucodonosor, e lhes disse: É de propósito, ó Sadraque, Mesaque e Abednego, que vós não servis a meus deuses nem adorais a estátua de ouro que levantei?
Agora, pois, se estais prontos, quando ouvirdes o som da buzina, da flauta, da harpa, da sambuca, do saltério, da gaita de foles, e de toda a espécie de música, para vos prostrardes e adorardes a estátua que fiz, bom é; mas, se não a adorardes, sereis lançados, na mesma hora, dentro da fornalha de fogo ardente. E quem é o Deus que vos poderá livrar das minhas mãos?
Responderam Sadraque, Mesaque e Abednego, e disseram ao rei Nabucodonosor: Não necessitamos de te responder sobre este negócio.
Eis que o nosso Deus, a quem nós servimos, é que nos pode livrar; ele nos livrará da fornalha de fogo ardente, e da tua mão, ó rei.
E, se não, fica sabendo ó rei, que não serviremos a teus deuses nem adoraremos a estátua de ouro que levantaste.
Então Nabucodonosor se encheu de furor, e mudou-se o aspecto do seu semblante contra Sadraque, Mesaque e Abednego; falou, e ordenou que a fornalha se aquecesse sete vezes mais do que se costumava aquecer.
E ordenou aos homens mais poderosos, que estavam no seu exército, que atassem a Sadraque, Mesaque e Abednego, para lançá-los na fornalha de fogo ardente.
Então estes homens foram atados, vestidos com as suas capas, suas túnicas, e seus chapéus, e demais roupas, e foram lançados dentro da fornalha de fogo ardente.
E, porque a palavra do rei era urgente, e a fornalha estava sobremaneira quente, a chama do fogo matou aqueles homens que carregaram a Sadraque, Mesaque, e Abednego.
E estes três homens, Sadraque, Mesaque e Abednego, caíram atados dentro da fornalha de fogo ardente.
Então o rei Nabucodonosor se espantou, e se levantou depressa; falou, dizendo aos seus conselheiros: Não lançamos nós, dentro do fogo, três homens atados? Responderam e disseram ao rei: É verdade, ó rei.
Respondeu, dizendo: Eu, porém, vejo quatro homens soltos, que andam passeando dentro do fogo, sem sofrer nenhum dano; e o aspecto do quarto é semelhante ao Filho de Deus.
Então chegando-se Nabucodonosor à porta da fornalha de fogo ardente, falou, dizendo: Sadraque, Mesaque e Abednego, servos do Deus Altíssimo, saí e vinde! Então Sadraque, Mesaque e Abednego saíram do meio do fogo.
E reuniram-se os príncipes, os capitães, os governadores e os conselheiros do rei e, contemplando estes homens, viram que o fogo não tinha tido poder algum sobre os seus corpos; nem um só cabelo da sua cabeça se tinha queimado, nem as suas capas se mudaram, nem cheiro de fogo tinha passado sobre eles.
Falou Nabucodonosor, dizendo: Bendito seja o Deus de Sadraque, Mesaque e Abednego, que enviou o seu anjo, e livrou os seus servos, que confiaram nele, pois violaram a palavra do rei, preferindo entregar os seus corpos, para que não servissem nem adorassem algum outro deus, senão o seu Deus.
Por mim, pois, é feito um decreto, pelo qual todo o povo, e nação e língua que disser blasfêmia contra o Deus de Sadraque, Mesaque e Abednego, seja despedaçado, e as suas casas sejam feitas um monturo; porquanto não há outro Deus que possa livrar como este.
Então o rei fez prosperar a Sadraque, Mesaque e Abednego, na província de babilônia." (Daniel 3:1-30)
Graça a vós, e paz da parte de Deus nosso Pai e da do Senhor Jesus Cristo! (Filipenses 1:2)
O livro de Daniel retrata, entre outras coisas mais, a figura de um jovem destemido, ao qual o rei, em busca de alguém que pudesse reunir atributos indispensáveis para ocupar uma posição importante em seu governo. Diz na palavra que: " E disse o rei "(Nabucodonozor)" a Aspenaz, chefe dos seus eunucos, que trouxesse alguns dos filhos de Israel, e da linhagem real e dos príncipes, jovens em quem não houvesse defeito algum, de boa aparência, e instruídos em toda a sabedoria, e doutos em ciência, e entendidos no conhecimento, e que tivessem habilidade para assistirem no palácio do rei, e que lhes ensinassem as letras e a língua dos caldeus." (Dan 1:3-4) 
Com essa palavra podemos aprender que a graça esta posta a todos aqueles que servem e buscam ao Deus vivente. Pois, tivemos o grande privilégio de sermos imagem e semelhança d'Ele (Gen 1:27). Assim, o Senhor nos colocou numa situação de igualdade para esta "concorrência": de recebermos o prêmio da vida eterna!
Claro que somos indivíduos e consequentemente com características particulares. Sendo assim, a individualidade reúne qualidades, e dessas qualidades é que o Senhor extrai os preceitos existentes em nós para a sua atuação em nossas vidas, bem como para salvação (principal). A salvação é um dom gratutito de Deus. (Efésios 2:8)
Esta escolha de Deus para com os homens e a livre e igualitária concorrência nos serve tanto para vida espiritual quanto para material.
No dia a dia em busca de uma posição no mercado de trabalho, se NÃO tivermos as qualidades inerentes a função a execer ou virtudes e características para ocupar uma vaga em uma determinada empresa (processo de seleção), somos dispensáveis e descartáveis pela mercado e pela sociedade. Isto é fato! Mas para quem acreditar e servir a este Deus tão maravilhoso, pode receber, não só as qualidades dos amigos de Daniel e ser posicionado em algum lugar importante, como receber o que ficou reservado só pra Daniel: "Quanto a estes quatro jovens, Deus lhes deu o conhecimento e a inteligência em todas as letras, e sabedoria; mas a Daniel deu entendimento em toda a visão e sonhos." (Dan 1:17).
Bem aventurado é aquele que serve a este Deus de Daniel e de toda a humanidade e não se contamina com as ilusões que o mundo apresenta. Diz na palavra: "E Daniel propôs no seu coração não se contaminar com a porção das iguarias do rei, nem com o vinho que ele bebia; portanto pediu ao chefe dos eunucos que lhe permitisse não se contaminar." (Dan 1:8). O banquete farto não é tudo! Desconfie das facilidades apresentadas a ti. A qualidade natural de Deus em nós é algo fantástico! A contaminação que permitimos adentrar em nossas vidas é que nos afasta de Deus, das suas promessas, dos seus planos para conosco, pois fiel é O que prometeu. Se ainda formos infiéis, Ele permanece fiel (II Tim 2:13). Na época de Moisés, o povo de Deus era para caminhar quarenta dias no deserto e chegar na terra prometida, mas pela desobediência, caminhou por quarenta anos (Num 14:26-34). E que jornada! Não se deixe contagiar pelos pensamentos de pessoas ímpias, pelas ilusões da terra, pelas aventuras pessoais e passageiras, pela ganância e ambição maligna, pela inveja, pela mentira, mas deixe o amor de Deus, a sua palavra e o Seu querer invadir o seu coração.
Existe um ditado popular que diz: " me diga com quem tu andas, que eu direi quem tu és...". Esta proposição neste aspecto é verdadeira. Como está na palavra no início descrita, alguns, por que não dizer, os amigos mais íntimos de Daniel, se depararam com uma situação difícil: vida ou morte? (Sal 23:4). Mas as atitudes e ações dos tais amigos (Sadraque , Mesaque e Abdnego) eram dignas de respeito e exemplo a serem seguidos. Pois eles foram contagiados pelo bom exemplo e andaram em retidão diante do Deus Todo-Poderoso. Vale a pena! O próprio apóstolo Paulo disse: "Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho." (Filipenses 1:21). Analise sua vida, suas companhias, os lugares que você frequenta, os assuntos que trazem edificação ou não. É notório que ao assistir uma partida de futebol em um estádio, conseguimos discernir quem apoia quem; andando pelas ruas das cidades podemos afirmar a que "tribo" as pessoas pertencem pela sua vestimenta e acessórios; as forças armadas utilizam uma uniformidade para se destacar dos demais em vários aspectos; reconhecemos, muitas das vezes, um policial ou um militar pela sua compostura e atitudes. O cristão nada mais deve ser além da imagem de Cristo. Também se destaca positivamente ao andar na luz da palavra; pois se andarmos em retidão com o nosso Deus, as obras de Cristo se manifestam em nós.  "...Vós sois o sal da terra; ora, se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar o sabor? Para nada mais presta senão para, lançado fora, ser pisado pelos homens. Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte..." (Mateus 5:13-14). "...Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém, não crer será condenado. Estes sinais hão de acompanhar aqueles que crêem: em meu nome, expulsarão demônios; falarão novas línguas; pegarão em serpentes; e, se alguma coisa mortífera beberem, não lhes fará mal; se impuserem as mãos sobre enfermos, eles ficarão curados..."  (Mar 16:16-18).
Em suma, pela vida ou pela morte, servir ao Senhor nosso Deus!
O livramento de Deus para com os amigos de Daniel, não só mostrou o quanto Ele é poderoso, mas também que através d'Ele somos exaltados diante dos homens.
Analise os aspectos da sua vida: crença, fidelidade e convicção na fé em Deus, oração, coragem, atitude, terá como resposta: providência divina, livramento, reconhecimento e exaltação.

Que a paz de Deus permaneça em seu coração!!!
Amém!